Dois negros cegos me tiraram do escuro

Roberto Muggiati ilumina o jazz com um LP clássico de 50 anos

Para ser lido ao som de Rahsaan Roland Kirk & Al Hibbler em Lover Come Back to Me

Foto: Reprodução

Lembram daquela piada politicamente incorretíssima sobre o clima de rivalidade entre dois cantores famosos? “O Ray Charles e o Stevie Wonder não podem nem se ver…”. Não é o caso de dois gênios do jazz – negros e cegos – que viam até o fundo da alma um do outro. Nos anos 1950, LPs importados eram uma raridade em Curitiba. Conheci o Al Hibbler num daqueles discos de prensagem nacional, cheio de chiados e corcovas. Já o multiinstrumentista simultâneo Roland Kirk conheci ao vivo, na fila do gargarejo do Ronnie Scott’s, em Londres, em 1963, antes de adotar o codinome muçulmano de Rahsaan. Naquela noite, Kirk soprou simultaneamente o sax-tenor, o manzello e o strich reproduzindo sozinho o naipe de saxofones da orquestra de Duke Ellington em Mood Indigo. Curtam o encontro dos gênios neste superálbum.

Nenhum pensamento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.