Dois negros cegos me tiraram do escuro

Roberto Muggiati ilumina o jazz com um LP clássico de 50 anos

Para ser lido ao som de Rahsaan Roland Kirk & Al Hibbler em Lover Come Back to Me

Foto: Reprodução

Lembram daquela piada politicamente incorretíssima sobre o clima de rivalidade entre dois cantores famosos? “O Ray Charles e o Stevie Wonder não podem nem se ver…”. Não é o caso de dois gênios do jazz – negros e cegos – que viam até o fundo da alma um do outro. Nos anos 1950, LPs importados eram uma raridade em Curitiba. Conheci o Al Hibbler num daqueles discos de prensagem nacional, cheio de chiados e corcovas. Já o multiinstrumentista simultâneo Roland Kirk conheci ao vivo, na fila do gargarejo do Ronnie Scott’s, em Londres, em 1963, antes de adotar o codinome muçulmano de Rahsaan. Naquela noite, Kirk soprou simultaneamente o sax-tenor, o manzello e o strich reproduzindo sozinho o naipe de saxofones da orquestra de Duke Ellington em Mood Indigo. Curtam o encontro dos gênios neste superálbum.

Nenhum pensamento

Deixe uma resposta para Rita de Cássia Costa Santos Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.