Heróis andam em dupla

Marcelo Corsetti* estreia na AmaJazz lembrando de grandes parcerias, como Batman e Robin, Super Homem e Mulher Maravilha, Lennon e McCartney… e Pat Metheny com o recentemente falecido Lyle Mays

Para ser lido ao som de Lyle Mays em First Circle

Morava em Santa Rosa e do alto de meus 16, 17 anos, tinha contato com o mundo musical basicamente nos Musicantos Sul-americanos – grande festival que acontecia em minha cidade – e um, ou outro show esporádico. Gostava de ler a parte de cultura dos jornais que meu pai assinava: Folha da Tarde e Zero Hora. Neles tinha ouvido falar no tal Pat Metheny Group. Eis que um amigo me emprestou Travels e quando botei no toca disco, automaticamente meu cérebro sofreu um dano, mas um dano bom. Isso era 1985.

No ano seguinte vim morar em Porto Alegre e fui atrás do máximo de informação sobre aquela banda e aquela música que tanto me tocou. Com o Plano Cruzado em vigência, o LP custava CZ$ 75 e com um bom choro o Claudio da Pop Som dava alguns descontos. Peguei muitos discos e esse ano foi movido a TravelsFirst CircleOfframp. Com as audições veio a decisão de me dedicar a música.

Eu queria ser Pat Metheny.

Formei minha primeira banda e lá tinha de estar um pianista fera. Lá estava Michel Dorfman pois se eu queria ser o Pat deveria haver o Lyle Mays.

Essa é uma pequena introdução para se ter noção de quão dura foi a madrugada do anúncio da morte de Lyle Mays, vítima, segundo o site oficial, de uma doença recorrente que ele teria, aos 66 anos.

A importância desse artista é maior do que se possa imaginar. Se Pat Metheny é o guitarrista mais imitado do mundo, isso se deve a presença de Lyle. Os discos que fizeram o grupo ser tão popular quanto as grandes bandas de rock sempre tiveram aquele cara quietão fazendo a história da música no seu piano.

Michel sempre esplanava sobre Lyle colocando Bill Evans ao lado do meu herói. Era a senha do tamanho do Lyle, pois se estava ao lado de Bill, era muito grande. Desde 1986, nao passou um dia de minha vida que não ouvi o Pat Metheny Group ou os discos de Lyle Mays. Me encanta Highland Aire, me encanta muito.

Em 1994 realizei um dos sonhos de minha vida, assisti o guitarrista no show Secret Story. Chorei. Mas faltava algo, e algo muito importante. Ver Lyle Mays. Não faltaria oportunidade, e na primeira que surgisse era obrigação ver o solo de First Circle ao vivo. Chegou o dia: em 1997 assisti o grupo dois dias seguidos. Era a felicidade completa.

Muitas vezes me peguei pensando em como ficaria triste no dia que o Pat se fosse e hoje tive a confirmação de que não me preparei para o dia em que o Lyle se fosse.

Eu comecei a namorar minha esposa ao som de Last Train HomeTravels September Fifteen. Quando casei, a música da entrada da noiva na igreja não foi a marcha nupcial. Foi It’s for You e New Chautauqua tocou inteiro, só abrindo exceção para uma música de Lito Vitale, Ese Amigo del Alma, composta em homenagem a Lyle. Quando meu filho nasceu, eu entrei na maternidade com um CD player que apavorou todas as enfermeiras pelo tamanho, mas eu tinha uma missão: o primeiro som que Pedro ouviria fora da barriga da mãe seria First Circle, com aquele solo de piano. Essa é a mais bela música composta e tem o mais belo solo de piano já executado.

Ouvi dizer que Lyle esstava doente, então não cabe nosso egoísmo de exigir sofrimento de meu herói por mais tempo aqui. Sempre me identifiquei com esse cara por sua quase aversão aos holofotes, então tenho certeza que ele está em um lugar muito legal montando algum lego, mais uma de suas virtudes , e tocando de vez em quando em um piano bem de cantinho.

E o som?

O som, é o mesmo que fez a trilha de minha vida e me assusta saber que nunca mais esperarei pelo próximo lançamento do Pat Metheny Group onde estarão os mais belos pianos que ouvi em minha vida. Enquanto esse susto e essa tristeza não passam, vou ouvir First CircleAu LaitJames e mais umas mil músicas que me ajudarão nesses dias que se seguirão, assim como me ajudaram todos os dias de minha vida desde que descobri quem eram meus heróis.

Infelizmente minha dupla de heróis está desfalcada e , nesse caso , não haverá substituto possível.

Obrigado, Lyle!

* Marcelo Corsetti é músico há mais de 30 anos, já tendo gravado 10 discos e dois DVDs, além de ter participado como produtor e músico dos trabalhos de Bebeto Alves, Adriana Deffenti, Realidade Paralela e Monica Tomasi

Nenhum pensamento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.