Pelé & jazz

Para ser lido ao som de Dizzy Gillespie em Pelé.

Pelé é jazz. No pensamento instantâneo, na criatividade, na ginga, na agilidade e – em especial – na capacidade de improviso.

Pelé era ainda despojado. Não havia firulas, nem floreios – e as poucas que haviam eram objetivas. Direto ao gol.

Pelé foi, pelo menos em uma música, a encarnação do jazz. Está em Bahiana, um dos discos mais brasileiros e menos conhecidos de Dizzy Gillespie, uma espécie de Pelé (misturado com Garrincha) do trompete. A composição é de Al Gafa, guitarrista pouco lembrado mas com grandes participações em centenas de sessões de estúdio ao lado de Kai Winding, Michel Legrand, Carmen McRae, Sammy Davis Jr., Sylvia Syms, Morgana King, Shirley Horn. Entre os brasileiros, Gafa era próximo de Astrud Gilberto. Seu único disco solo chamava-se Leblon Beach.

Autor: Márcio Pinheiro

Jornalista, roteirista, produtor cultural

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.