Mentiras verdadeiras

Eric Nepomuceno recorda Zulema Mirkin, autora de Recuerdo de Ypacaraí, uma canção que mente o tempo inteiro

Para ser lido ao som de Caetano Veloso em Recuerdos de Ypacaraí

Lago Ypacarai visto de Areguá, no Paraguai, em 2012 (Foto: Leandro Neumann Ciuffo/CC BY)

Só de distração, passei o fim de semana lembrando mentiras históricas. Tentei separar as bondosas, quase inocentes, às vezes generosas, das que são a imensa maioria – as vulgares, banais, ruins. Finalmente, tentei recordar uma mentira absolutamente exemplar, que tivesse sobrevivido e se tornado melhor que a realidade.

Acho que, de todas que lembrei, ganha fácil a mentira inventada há décadas por Zulema de Mirkin. Lembrei essa história num conto chamado Quarta-Feira, que é também o título de um livro que publiquei em 1998.

Zulema foi uma professora de primário da Argentina. Nos anos 40, conheceu um músico paraguaio chamado Demétrio Ortiz. Apaixonou-se perdidamente, mas não teve tutano para fugir com ele. Viveu aquele amor impossível com tenacidade dos balizadores do deserto. Deixou um testemunho insuperável nas palavras que escreveu para uma canção de Demétrio, e que Caetano Veloso gravou num diálogo delicado com o contrabaixo de Zeca Assumpção: “Una noche triste nos conocimos/ junto al lago de azul de Ypacaraí/ tú cantabas triste por los caminos/ lindas melodias en guarani”.

A canção chama-se Recuerdos de Ypacaraí, é uma das mais conhecidas da América Latina, e mente o tempo inteiro. Para começo de conversa, o lago de Ypacaraí pode ser qualquer coisa, menos azul. É tristonho, feioso e só se salva por um ou outro pôr-de-sol. Quando escreveu essas palavras, Zulema jamais havia estado no Paraguai, e Demétrio Ortiz não sabia uma só palavra em guarani. Eles se conheceram no interior da Argentina, de onde, aliás, ela nunca saiu até o dia 16 de agosto de 1995.

Naquela quarta-feira, no aeroporto de Assunção, alguém me apresentou a uma senhora de idade tão avantajada que era indefinível. Estava emocionada até a última gota de alma: pela primeira vez na vida chegava ao Paraguai, e seria levada diretamente para conhecer Ypacaraí. Era dona Zulema. Entendi, na hora, que sua mentira de amor era muito mais duradoura e muito melhor que a vida vivida.

Melhor que a realidade.

Essa mentira, como todas, depois de começada não parou mais. Zulema virou alvo de homenagens no Paraguai por ter divulgado mundo afora, com suas palavras de engano, as enganosas maravilhas do lago que jamais foi azul. Acho, em todo caso, que essa mentira valeu a pena, merece defesa. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.