África/Brasil

João Carlos Rodrigues recupera uma raridade perdida na história da música brasileira

Foto: Acervo Museu Afro Brasil

Para ser lido ao som da Orquestra Afro Brasileira em Obaluayê e India

Há poucos meses, escrevi aqui na AmaJazz sobre o excelente disco Tribo Masahy Apresenta Embaixador, obra pouco conhecida gravada no início dos anos 60, e – revirando meus implacáveis arquivos – lembrei de outro texto meu, escrito em dezembro de 2012, em que eu relacionava as semelhanças entre esta sonoridade e os afrosambas de Baden Powell e Vinicius de Moraes e, principalmente, a Orquestra Afro Brasileira, do maestro Abigail Moura, que existiu entre 1942 e 1969, e só gravou dois discos, um em 1957 e outro em 1968. Elogiada por luminares como Eleazar de Carvalho, Paschoal Carlos Magno e Abdias Nascimento, a Orquestra Afro Brasileira foi a precursora de toda sonoridade afro-brasileira que hoje ouvimos – mas ninguém fala, ninguém conhece. Também vale lembrar que o maestro Abigail Moura é o autor da trilha sonora do filme Mãos Sangrentas, de 1955, dirigido por Carlos Hugo Christensen.

As preciosas gravações na Rádio MEC foram destruídas em 1964, logo depois do golpe militar. A solista da primeira música é a cantora oficial da orquestra, Maria do Carmo, que no início dos anos 60 teria enlouquecido no palco enquanto interpretava um ponto de umbanda. Devemos a Emanoel Araujo a edição de uma coletânea em 2003 pelo Museu do Negro, com belo texto de Nei Lopes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.