Eclipse na Dinamarca

Joyce Moreno esteve há 12 anos com Yusef Lateef e agora, no ano que ele completaria 100 anos, estreia na AmaJazz fazendo, a nosso pedido, um exercício de memória como forma de homenagear o grande músico

Para ser lido ao som de Yusef Lateef em Yesterdays

Foto: Wikimedia/Commons
Foto: Wikimedia/Commons

O encontro foi durante as aulas e os workshops na Summer Session Clinic em Vrå, na Dinamarca: ao meu lado estavam o trompetista e vocalista norueguês Per Jørgensen; no contrabaixo, uma lenda do jazz dos anos 70, membro fundador do Weather Report, o tcheco Miroslav Vitous; na bateria, Jeff “Tain” Watts, que dispensa apresentações, o jovem organista de Nova York Sam Yahel, e o inacreditável flautista e saxofonista Yusef Lateef, com seu assistente, o percussionista Adam Rudolph.

Esta foi a noite do concerto que nós, professores, fizemos para os alunos. Fiquei meio com um pé atrás, de início: tantos jazzistas juntos haveriam de querer tocar jazz norte-americano, donde eu, brasileira, estaria meio deslocada. Logo na chegada, Per, o norueguês, me procurou: tinha as mesmas preocupações que eu, e sugeriu que nos apresentássemos juntos num duo à parte, na abertura do concerto. Como o trabalho dele é todo desenvolvido a partir de música orgânica e criativa, foi fácil acharmos um denominador comum, e rapidamente criamos um formato para a boa e velha Upa Neguinho, que ele não conhecia, mas de quem ficou íntimo em minutos.

Só que na reunião dos professores para combinarmos o repertório do concerto, surpresa: nenhum deles queria tocar standards de jazz. A começar por Yusef, que foi logo dizendo: “I don’t do standards”. Na verdade, a lista das coisas que ele não fazia era enorme, pois tratava-se de um muçulmano ferrenho, da velha escola – que, entre outras estranhezas, não apertava a mão de mulher, para não tocar em possíveis “impurezas”, o que me deixou bastante constrangida no primeiro encontro, ao ficar com a mão abanando diante dele. Depois entendi que era assim mesmo e fui em frente. Mas que é esquisito, é, com todo respeito…

Enfim, Yusef não queria tocar standards, Miroslav não queria tocar walking bass, nada que lembrasse o jazz americano da forma como é conhecido, e os professores mais novos, Yahel e Watts, também disseram que não. Decidiu-se, portanto, que o concerto seria free.

Free jazz me dá arrepios: respeitosamente, detesto – quase tanto quanto detesto fusion – e nunca consegui escutar até o fim um disco de Ornette Coleman. A única vez em que estive num concerto dele, saí na metade, pois sempre chega um momento em que simplesmente acaba o assunto e tudo fica sem sentido, por maior que seja a boa vontade do ouvinte, e o que era para ser música livre vira uma espécie de masturbação coletiva. Com todo respeito, de novo.

Mas quem está na chuva tem de se molhar, e lá fui eu participar de uma free session pela primeira vez na vida. Tá bom, pela primeira vez em público, pelo menos, pois é claro que em ensaios e brincadeiras caseiras rola de tudo. Mas com plateia – e plateia de músicos, ainda por cima, pois nesses workshops dinamarqueses os alunos são todos profissionais – foi a primeira vez mesmo.

E não é que deu certo? Acabou rolando música de alta voltagem criativa, e a voz usada como instrumento foi uma boa ferramenta para lidar com isso. Já no finalzinho, quando parecia que iria desandar o bolo, Watts, esperto, puxou uma levada rítmica que imediatamente me remeteu às levadas daqui, e foi a minha deixa para que o violão entrasse em cena – e o que era free acabou mesmo em baião, para alegria geral. Cada um dá o que tem… e viva o Brasil!

PS: Depois de passar toda aquela semana “explicando” Dorival Caymmi aos meus alunos escandinavos, fazendo analogias entre a música dele e a de Debussy, e demonstrando que sem Dorival não haveria João Gilberto, recebi naquele sábado a notícia da morte de Caymmi. A comoção foi enorme, e muita gente que tinha aprendido a entendê-lo e amá-lo pela primeira vez chorou comigo. Eclipse da lua no interior da Dinamarca, tristeza sem fim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.