Bird por eles

Eduardo Rodrigues selecionou três depoimentos de músicos e amigos que tocaram e conviveram com Bird

Para ser lido ao som de Charlie Parker em Lover Man

Foto: Biblioteca do Congresso dos EUA/Domínio público/Wikimedia Commons
Tommy Porter, Charlie Parker e Miles Davis
(Foto: Biblioteca do Congresso dos EUA/Domínio público/Wikimedia Commons)

Os relatos de Lennie Tristano, Billie Eckstine e Tommy Potter foram retirados do livro Nostalgia de Charlie Parker, edição espanhola de 2009. O título original em inglês chama-se Bird – The Legend of Charlie Parker, lançado em 1962 nos Estados Unidos por Robert Reisner.

Lennie Tristano, pianista:

“Estava sentado com Charlie e com outros amigos em uma mesa no Birdland quando entrou Bud Powell, nos saudou e, sem motivo aparente, disse: ‘Sabe de uma coisa, Bird? Não vales uma merda. Não me emocionas. Hoje, não tocas uma merda’, e seguiu humilhando Bird sem compaixão.
Intervi. ‘Bud, não fale assim. Bird é teu pai’.
Bird disse: ‘Lennie, não preste atenção. Eu fui inspirado pelo estilo dele’.
Na próxima vez, era óbvio que Bird ensinaria boas maneiras a Bud, porque ele tocava todas as músicas dobrando o tempo e ninguém podia tocar tão rápido quanto Bird. Sobre Bud, Charlie me disse uma vez: você acha que ele é louco? Eu o ensinei a se comportar assim”.

Billy Eckstine, cantor:

“Uma noite, Ben Webster entrou no Minton’s e Charlie estava no palco, com o tenor. Ben, que nunca ouvira Bird, disse: ‘Que diabos ele está fazendo lá em cima? Cara, ele é louco ou o quê? Ele subiu ao palco e arrancou o sax das mãos de Parker, dizendo: esse sax não precisa soar tão rápido’. No entanto, naquela mesma noite, Ben foi por toda a cidade repetindo: ‘Cara, eu ouvi um cara … eu juro que ele enlouquece todo mundo com o tenor’. A verdade é que Bird nunca se sentiu confortável com o tenor, ele nunca gostou. Mas tocava como um louco aquele maldito instrumento”.

Tommy Porter, contrabaixista

“Um amigo de Charlie tinha um pequeno avião e se ofereceu para levar Charlie para o próximo concerto. Max, Duke e eu pegamos o trem, e Charlie e Red Rodney foram de avião. Red me disse que Bird perguntou se ele poderia assumir o comando. O amigo dele disse que sim. Charlie nunca havia pilotado um avião, mas lá estava ele conduzindo o aparelho como se se fosse uma coisa comum, com um sorriso de orelha a orelha. De repente, Bird se inclinou para a esquerda e o avião virou para a direita. O cara rapidamente retomou os controles. Red estava tremendo de medo. Bird disse que só queria ouvir o barulho do motor enquanto virava o avião”. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.