Chick Corea em dois tempos

Há 30 anos, um dos maiores pianistas da história do jazz – acompanhado de outro dos maiores pianistas da história do jazz – se apresentava pela primeira vez em Porto Alegre

Márcio Pinheiro

Para ser lido ao som de The Ultimate Adventure
chick corea ilustração de daniel kondo
Ilustração: Daniel Kondo

A primeira vez que Chick Corea esteve em Porto Alegre faz 30 anos. Foi em 1988 e ele se apresentou no extinto Teatro Leopoldina ao lado do também pianista Herbie Hancock. Eram dois amigos, da mesma geração, com uma formação muito parecida e com carreiras que quase sempre se tangenciaram. Pela amizade, Corea e Hancock fizeram do repertório uma parceria. Era quase todo montado em cima do disco Corea & Hancock, gravado dez anos antes, com clássicos de um (La Fiesta, de corea) e de outro (Maiden Voyage, de Hancock). No concerto para dois pianos, os dois ainda arranjaram tempo para homenagear paixões comuns, como Béla Bartók, e ainda abriram espaços para alguns improvisos que se aproximavam dos experimentalismos de John Cage. Eu estava lá.

E estava também na segunda vinda de Corea a Porto Alegre, em novembro de 2005, no Teatro da Fiergs. Agora era Corea à frente de um quarteto, o Touchstone, formado pelos espanhóis Carles Benavent (contrabaixo) e Jorge Pardo (saxofone e flauta), pelo americano Tom Brechtlein e pelo brasileiro Rubem Dantas (percussão). Formato como esse lhe agradavam desde o tempo do Return To Forever – no começo dos anos 70, junto com os brasileiros Airto Moreira e Flora Purim – passando por experiências posteriores como a Elektric Band e o Akoustic Trio.
Antes da apresentação, Corea lembraria que havia montado um grupo em que todos se sentiam como amigos e que demonstravam grande afinidade musical. O nome havia sido retirado do disco Touchstone, que Corea dividira com Paco de Lucía, em 1982. No novo grupo, Corea fazia uma síntese de seus interesses pela música africana, latina e árabe.

Na época da turnê, Corea preparava o repertório para o disco The Ultimate Adventure, que seria gravado no ano seguinte e homenagearia novamente L. Ron Hubbard (1911 – 1986), escritor de livros de ficção científica e fundador da Cientologia, doutrina da qual Chick Corea é seguidor. The Ultimate Adventure também serviria para o pianista se reencontrar com músicos que sempre admirou muito, como o flautista Hubert Laws, o baterista Steve Gadd e o percussionista brasileiro Airto Moreira, reafirmando seu interesse pela música brasileira, que começa com Tom Jobim e João Gilberto, e que seguiria com Airto e Hermeto Pascoal, com quem tocou várias vezes.

Anúncios

Autor: Márcio Pinheiro

Jornalista, roteirista, produtor cultural

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s