“Que reste t’il…”

Luis Fernando Verissimo diz: “Se eu precisasse escolher a pessoa que eu menos esperava ver cantando ‘Que reste t’il…’, seria Archie Shepp”

Para ser lido ao som de Archie Shepp em Que Reste t’il de nos Amours

Foto: Juan Esteves

Fomos ouvir o saxofonista Archie Shepp no New Morning de Paris. Eu não tinha bem certeza do que ia encontrar. Sabia que Shepp vivia na França mas não tinha acompanhado sua carreira depois dos anos 60, quando ele e gente como os saxofonistas Ornette Coleman e Albert Ayler e o pianista Cecil Taylor radicalizaram o que John Coltrane começara com suas torrentes de som, e criaram o movimento Free Jazz. Shepp era o mais radical deles todos, mais político, e quem fez a ligação mais direta entre a agressividade do novo jazz e o novo ativismo negro da época. Suas declarações eram tão incandescentes quanto os seus solos. Teve não poucos problemas com a polícia e se autoexilou na Europa. Eu estava curioso para ver como ele envelhecera. No New Morning, tocou com um trio e dois músicos franceses convidados. Continua um ótimo tenorista, mas toca como se nem Coltrane nem ele, com 40 anos menos, tivessem existido. E a certa altura da apresentação pegou o microfone e cantou Que Reste t’il de nos Amours.

Se eu precisasse escolher a pessoa que eu menos esperava ver, um dia, cantando Que Reste t’il de nos Amours, seria Archie Shepp. O general Geisel, talvez. O Archie Shepp nunca. E no entanto lá estava ele, com seu francês de Nova York, perguntando o que restava dos nossos belos dias, sem alterar um acorde a canção para efeito de ironia ou de suingueficação. Não duvido que ainda sobre muito dos velhos amores de Archie Shepp pela música contestatória e pela justiça para a sua raça (no seu repertório atual tem muita música africana), mas também é bom saber que, entre as coisas que 40 anos fazem com um velho revolucionário, está a depuração de preconceitos: por que não Que Reste t’il de nos Amours? Depois de todas as causas e de todas as vanguardas as boas canções ainda estão lá. Esperando para serem descobertas. Ou talvez só se passe pelas causas e pelas vanguardas para poder cantar, um dia, Que Reste t’il de nos Amours sem precisar dar satisfações a ninguém.

Texto publicado originalmente em 2003. Reproduzido com autorização do autor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.