“Erroll Garner, você ficou linda!”

Reinaldo Figueiredo revela alguns dos velhos truques do marketing fonográfico e mostra que até o grande Baden Powell também teve a sua fase de crossdresser

Para ser lido ao som de Misty, a mais famosa composição de Erroll Garner e que começa assim: “Look at me…”

Image

Nos anos 50, alguns ouvintes mais distraídos devem ter achado que Erroll Garner era uma morenaça lindona, com cara de atriz de Hollywood e devem ter pensado lá com os botões da sua vitrola: “Essa pianista, além te tocar muito bem, é bonita pra caralho…”.

Mas não era bem assim. O problema é que, naquele tempo, essa era uma estratégia de marketing muito comum. As capas do LPs eram quase sempre ilustradas com fotos de modelos lindíssimas. E às vezes o rosto do músico permanecia um mistério. E, para piorar, naquele tempo o rádio ainda não tinha imagem.

Um dia, o marrento trompetista Miles Davis deu um esporro nos seus produtores por causa desta capa:

Ele conseguiu que a gravadora lançasse outra edição do disco com outra foto na capa, esta aqui:

Miles combinou que, dali em diante, se quisessem botar foto de mulher na capa dos discos, a mulher tinha que ser a dele. E assim foi feito: nos anos seguintes, o trompetista lançou vários discos e se casou com várias mulheres.

Enquanto isso, aqui no Brasil, o grande Baden Powell também teve a sua fase de crossdresser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.